TECNOLOGIA EDUCATIVA

segunda-feira, 18 de Outubro de 2010

As novas tecnologias da informação e da comunicação [textos para o ensaio]

 Texto 1
Não se pode esperar que o computador faça tudo sozinho. Ele fornece-nos informações e recursos, cabendo ao professor planear a aplicação dos mesmos na sala de aula. A pressão constante em relação ao uso da informática torna-se cada vez mais evidente em todas as áreas e isso não é diferente na educação. A todo momento os professores sentem que quem não for capaz de usar a informática como instrumento de ensino-aprendizagem está fora do contexto do mercado de trabalho actual. É peremptório mudar este estado de coisas.
A evolução das tecnologias de informação e da comunicação impõe uma redefinição do espaço de trabalho. Hoje é mais rápido enviar um e-mail do que uma carta por correio. Cada vez menos será o trabalhador a deslocar-se ao trabalho, e cada vez mais será o trabalho que virá até ao trabalhador. Trabalhar a partir de casa parece ser cada vez mais a hipótese acertada numa altura em que a flexibilidade se tornou num dos assuntos na ordem do dia. O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia na troca de informação.
O acesso a redes dentro e fora das empresas, a videoconferência em rede local, a utilização partilhada de documentos em tempo real e a redistribuição de chamadas telefónicas são alguns exemplos destas novas tecnologias.
As novas tecnologias de comunicação trouxeram enormes vantagens aos mais diversos sectores da sociedade. Podemos verificar o quanto ajudou no processo de recuperação da informação através das bases bibliográficas em CD-ROM e on-line, como também na obtenção do próprio conteúdo desejado. Os periódicos electrónicos retratam uma parcela desse avanço tecnológico, apresentando vantagens e desvantagens tanto na sua forma “física” como nas bases que os disponibilizam. O objectivo desta apresentação é relatar as nossas experiências e considerações sobre essa nova modalidade de publicação.
Hoje existem diversos “sites” na Internet que disponibilizam periódicos electrónicos. Neste cenário, encontramos uma grande variedade de interfaces, que, por vezes, comprometem os resultados das pesquisas, uma vez que as dificuldades encontradas pelos usuários para realizar uma pesquisa bibliográfica são elementos desenregelantes e geradores de buscas ineficientes ou mesmo incorrectas. É compreensível que vários factores concorram para que haja tamanha diversidade e mesmo mudança de interface nos sites de busca bibliográfica, pois nessa era globalizada em que estamos inseridos, tudo parece mudar muito rapidamente. A própria Internet aparece como factor desencadeante principal de tantas mudanças, onde se percebe quase que uma “anarquia controlada”. Os sites acompanham as tendências tanto de design como de objectivos específicos.
É preciso que os profissionais da informação estejam atentos às constantes mudanças que se operam neste campo em constante actualização.
Tecnologia: não se pode viver sem ela.
Quem diria que um telefone, um rádio, uma televisão e até um computador se transformariam em equipamentos tão portáteis capazes de serem carregados no bolso? A tecnologia evolui cada vez mais e quando o consumidor pensa que não há mais como inovar, eis que surge uma tecnologia mais moderna. São os telemóveis, os computadores portáteis, as televisões de alta resolução com ecrãs de plasma, os aparelhos tocadores de MP3, as impressoras, as câmaras de filmar e as máquinas fotográficas digitais, os aparelhos electrodomésticos e os automóveis que contém cada vez mais funções, diminuem o tamanho e aumentam a sua utilidade, justamente para facilitar a vida do usuário.
Essas novas tecnologias estão anexadas ao computador, que revolucionou todas as formas de comunicação e produção. Na era digital, o indivíduo pode partilhar a mesma tecnologia independentemente do local onde estiver: em casa, no trabalho, em viagem, nas compras ou realizando transacções bancárias. A evolução tecnológica estará sempre em constante evolução e aperfeiçoamento. Isso faz com que muitos questionem: há como sobreviver sem utilizar a tecnologia? Segundo os especialistas, a resposta é não. “Não podemos viver sem ela. A utilização dessa tecnologia já está implementada na cultura de todos os povos. Há realidades diferentes de acesso aos novos equipamentos, mas eles estão em todos os lugares. Por mais que alguém diga que não convive directamente com essa tecnologia é preciso lembrar que o simples acto de ir ao banco, pagar um estacionamento com um bilhete magnético ou cartão electrónico, usar o telefone, ver televisão, sair à rua e expor-se às dezenas de câmaras que nos monitorizam em toda parte, insere qualquer cidadão nesse mundo moderno.
Referências bibliográficas:
Fonte: http://tic-dc-vilaverde.blogspot.com/2008/01/as-novas-tecnologias-vantagens-e.html


Texto 2


A presença das tecnologias de informação e comunicação na Educação Física permeada pelo discurso da indústria cultural
Resumo
Apresentar subsídios teóricos que possam contribuir com a análise e discussão mais aprofundada das relações entre as tecnologias de informação e comunicação (TICs) e a Educação Física permeada pelo discurso da indústria cultural é o objetivo central deste estudo. O progresso e as inovações tecnológicas provocam mudanças aceleradas no modo de vida da sociedade, nas formas de educar e aprender, nas concepções de ensino e nas qualificações. No entanto, observa-se que existe acerca do apogeu das tecnologias um discurso muito eficaz produzido pela então chamada indústria cultural, que se refere ao fetichismo criado em torno das TICs. Esse fetichismo promove um certo encantamento sobre as TICs, suas possibilidades e seus produtos, leva ao consumo exacerbado, conduz à substituição gradativa do real pelo simulacro, e “dita” regras de como as pessoas devem sentir, pensar e agir para alcançar a “felicidade eterna”, a medida que nos apresentam o que é certo e aquilo que deve ser descartado. Os meios de comunicação constituem os condutores do discurso da indústria cultural. Entre os programas que mais chamam a atenção está o esportivo. A Educação Física componente curricular que trata pedagógica e cientificamente dos conteúdos da cultura de movimento, sempre manteve uma relação muito próxima com as mídias e a aplicação de tecnologias, no que se refere ao esporte de rendimento e a aquisição de formas estéticas socialmente reconhecidas como padrão de beleza. Essa relação é potencializada pelo discurso midiático, que por sua capacidade de recorte/recriação da realidade, produz evidências confirmadoras e obscurece os argumentos contrários. A educação é, portanto, o principal caminho para “libertar” o homem e torná-lo capaz de refletir e agir diante de uma possível realidade fabricada produzida pelas mídias e pela indústria cultural.
          Unitermos: Indústria cultural. Tecnologias de Informação e Comunicação. Educação Física.

Paula Bianchi
Mestranda em Educação Física PPGEF/CDS/UFSC
Professora de Educação Física da Rede Municipal de Florianópolis
Este artigo foi apresentado como requisito parcial de avaliação na disciplina de “Fundamentos Antropofilosóficos da Educação Física” do curso de Mestrado em Educação Física no CDS/UFSC, ministrada pelo professor doutor Alexandre Vaz
(Brasil) http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Año 13 - N° 120 - Mayo de 2008

1. Considerações iniciais
    O progresso e as inovações tecnológicas provocam mudanças aceleradas no modo de vida da sociedade, nas formas de educar e aprender, nas concepções de ensino e nas qualificações. Além de simples mudanças, esse advento tecnológico tem se caracterizado como um fenômeno que, muitas vezes, impõe à sociedade moderna, hábitos e comportamentos diferentes, transformando a relação do homem com o outro, com o meio ambiente e consigo próprio.
    Chamadas de “tecnologias inovadoras”, de “novas tecnologias”, “elementos tecnológicos”, “mídias digitais”, “novas mídias”, as tecnologias de informação e comunicação (TICs) recebem inúmeras denominações mundo afora, pois, seus impactos vêm alterando significativamente o modo de vida e a produção do conhecimento e do saber. De modo geral, pode-se dizer que as TICs compreendem os recursos e possibilidades utilizados para comunicar e obter informações que dispõem de amplos sistemas tecnológicos, de satélite e digitais de funcionamento, por exemplo: a informática e seus derivados, a televisão e mídia impressa e sistema de telefonia.
    No entanto, observa-se que existe acerca do apogeu das tecnologias um discurso subjetivo, porém, muito eficaz produzido pela então chamada indústria cultural, que refere-se ao fetichismo criado em torno das TICs. Esse fetichismo promove um certo encantamento sobre as TICs, suas possibilidades e seus produtos, leva ao consumo exacerbado, conduz à substituição gradativa do real pelo simulacro, da experiência formativa pela vivência (BENJAMIN)1 e “dita” regras de como as pessoas devem sentir, pensar e agir para alcançar a “felicidade eterna”, (lembrando que essa suposta felicidade eterna é na verdade efêmera, ou seja, uma ilusão que necessita ser preenchida por “outras felicidades” (instantâneas) a todo momento, o que leva a um consumismo exagerado) a medida que nos apresentam o que é certo e aquilo que deve ser descartado. Humberto Eco (1970, p. 347) destaca o poder de convencimento da indústria cultural sobre a sociedade:
    Numa sociedade em que a autonomia individual e a multiplicidade das opiniões são admitidas, mas na qual, por exigências econômicas, realiza-se um direcionamento “oculto” da opinião, a indústria cultural adota os meios de persuasão comercial, mas “ao invés de dar ao público o que ele quer, sugere-lhe o que deve querer ou deve acreditar que quer.” (apud BETTI 1998, p. 45)
    A partir disso, apresentar subsídios teóricos que possam contribuir com a análise e discussão mais aprofundada das relações entre as tecnologias de informação e comunicação (TICs) e a Educação Física permeadas pelo discurso da indústria cultural é o objetivo central deste estudo.
    Ao discutir indústria cultural e sua relação com a Educação Física, torna-se necessário, primeiramente, compreender a construção histórica desse conceito socialmente construído e seu propósito de se tornar hegemônico nas práticas de vida dos indivíduos.
    O conceito de indústria cultural apareceu pela primeira vez, na obra “Dialética do Esclarecimento” escrita por Theodor Adorno e Max Horkheimer e publicada em 1947. O conceito foi criado para indicar a cultura produzida para o consumo de massa, atendendo às necessidades de valor de uso (do seu consumidor). É importante destacar a capacidade da indústria cultural em reproduzir o sistema, reproduzir a ideologia dominante ao ocupar, continuamente, com sua programação, o espaço de descanso e de lazer do trabalhador. O primeiro aspecto da indústria cultural conduz ao consumismo desenfreado da cultura, e de outros bens, como caminho para a realização pessoal.
    A expressão indústria cultural visa substituir o termo “cultura de massa”, pois, esta induz ao engodo que satisfaz aos interesses dos detentores dos veículos de comunicação de massa. É a responsável pela produção cultural em série ou industrializada, ou seja, o produto cultural industrializado ou produzido em série ou em massa, mediante a utilização do uso de técnicas de reprodução, por uma classe diferente daquela que vai consumir o produto. Ou ainda, produtos culturais manufaturados apenas para um mercado de massa. Fazem parte da indústria cultural os meios de produção e difusão ligados ao mercado internacional de consumo, direcionados para um público de massa. Abrange o disc compact (CD), o livro, o cinema, a imprensa, a fotografia, a reprodução de arte e a publicidade, além de novos produtos e serviços audiovisuais divulgados por meios de comunicação.
    Os meios de comunicação constituem, portanto os condutores do discurso da indústria cultural, sendo que aproveitam-se de programas televisivos e de rádio, sites da internet, jornais e revistas de maior audiência para veicular as mercadorias da indústria cultural. Entre os programas e notícias que mais chamam a atenção dos meios de comunicação está o esportivo, fato que se explica por ser o esporte um importante meio de socialização e apresentar grande capacidade de penetração em diferentes camadas sociais, devido sua atratividade e força de interação entre as pessoas.
    A Educação Física componente curricular que trata pedagógica e cientificamente dos conteúdos da cultura de movimento, sempre manteve uma relação muito próxima com as mídias e a aplicação de tecnologias, no que se refere ao esporte de rendimento e a aquisição de formas estéticas socialmente reconhecidas como padrão de beleza.
    Essa relação é potencializada pelo discurso midiático, que por sua capacidade de recorte/recriação da realidade, produz evidências confirmadoras e obscurece os argumentos contrários. A educação é, portanto, o principal caminho para “libertar” o homem e torná-lo capaz de refletir e agir diante de uma possível realidade fabricada produzida pelas mídias e pela indústria cultural.
    O estudo caracterizou-se como descritivo baseado na discussão teórica de conceitos, características e relações entre as TICs, a indústria cultural na sociedade contemporânea sob o viés da Educação Física. Busca-se, a partir disso, discutir e apontar caminhos para que Educação Física ultrapasse os fins pragmáticos utilitaristas sugeridos pelas tecnologias e que promova a emancipação da sociedade para, além dos conceitos condicionantes da indústria cultural.
2. Panorama da presença das TICs na Educação Física em diferentes contextos de atuação profissional
    Ao perceber a importância que as TICs e a indústria cultural representam no contexto social, como formadores de opinião e construtores de saberes/fazeres sociais sobre a Educação Física se torna pertinente discutir a relação existente entre eles refletindo sobre suas vantagens e desvantagens. No campo da cultura de movimento, a atuação dos meios de comunicação aliados aos avanços tecnológicos é decisiva na construção de novos suportes e sentidos de entretenimento e consumo. Segundo Betti (1998) o esporte, a dança, as formas de ginásticas, tornam-se, cada vez mais, produtos de consumo e objetos de conhecimento e informações, amplamente, divulgadas ao público em geral. Com o advento tecnológico, estamos nos tornando telespectadores de esporte-espetáculo, vendo todos os lances do jogo, da corrida de carros, do ciclismo, do voleibol, através da televisão ou internet. Essa superexposição da Educação Física e dos seus conteúdos na mídia elevou o nível de informação sobre a área. No entanto, a maioria dessas informações tem ficado a cargo de profissionais não especializados, que emitem inúmeras informações equivocadas a respeito da Educação Física, como nos aponta Pires (2002, p. 86-87):
    A essa compreensão banalizada dos temas da cultura corporal, incorpora-se uma série de discursos descontextualizados, fragmentados e reducionistas sobre os possíveis benefícios advindos da prática de atividades físicas, como os esportes.
    Em função disso, é fundamental apresentar subsídios para que o professor de Educação Física se sinta preparado para assumir a tarefa de mediador, visando discutir criticamente com os educandos a presença das TICs na Educação Física em seus diferentes contextos de atuação seja na saúde, no esporte e na educação.
    No campo da saúde e dos esportes, há uma forte presença das tecnologias no que se refere a diagnósticos mais precisos, remédios mais baratos e próteses que respondem aos comandos do cérebro. Dotadas de alta tecnologia, as próteses biomecatrônicas misturam conhecimentos de biologia, mecânica e eletrônica, caracterizam um esforço de tecnólogos e cientistas em dar seguimento às pesquisas e experiências com Inteligência artificial. O uso das novas tecnologias vem aumentando, progressivamente, no esporte, em busca de melhores resultados e de performances mais dinâmicas, visando competições de alto nível, aplicados em pesquisas de treinamento físico, em desenvolvimento de suplementos alimentares e de vestuário e acessórios esportivos.
    As tecnologias vêm contribuindo para a aquisição de autonomia de pessoas com deficiências, entre elas a visual, disponibilizando a essas pessoas ferramentas que possam auxiliar na execução de tarefas de estudo e atividades profissionais, como por exemplo, o uso do programa, chamado de Dosvox, criado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), sendo um sistema para microcomputador que se comunica com o usuário, através de síntese de voz, viabilizando, deste modo, o uso de computadores por deficientes visuais, que adquirem assim um alto nível de independência no estudo e no trabalho.
    Muitas companhias de dança e de teatro estão incluindo os recursos das tecnologias digitais em seus espetáculos, seja para brincar com o real e o virtual, com a imaginação do receptor, para aperfeiçoar a técnica dos artistas ou para executar movimentos que o corpo humano não seria capaz de realizar.
    No entanto, a era tecnológica nos impõe novas formas de vida social, novas concepções de comportamento e de estética, interferindo na representação corporal e de longevidade. Cada vez mais, chamadas midiáticas que apontam 365 maneiras de se vestir bem para uma entrevista de emprego, 68 dicas para se manter sempre jovem, 43 idéias para renovar o visual, 87 tipos de dietas de emagrecimento, 13 fórmulas de superar crises de relacionamento são apresentados à sociedade, atraindo, principalmente, as mulheres, uma vez que a maioria dessas informações é dirigida ao gênero feminino. A partir disso, pode-se compreender que as TICs não são desprovidas de sentido e que precisam ser amplamente, esclarecidos e discutidos com a sociedade. A discussão das relações entre saúde, esporte e as TICs é relevante e atual, não apenas no que tange a formação profissional em Educação Física, mas em toda a problemática que envolve o esporte, atividades corporais e a sociedade contemporânea.
    Com a expansão tecnológica, o jogo não é apenas aquele jogo simples, jogado num terreno qualquer, por crianças, é também videogame, espetáculo da televisão (BETTI, 1998). Existem revistas especializadas sobre esportes, algumas trazem como brinde, um disquete de computador para explicar a lei do impedimento no futebol ou outro lance curioso. Esse é o novo cenário pelo qual a Educação Física terá de se mover.
    Com o crescimento e a expansão do mercado de produtos culturais e educacionais, com o aparecimento de um novo fenômeno social, a tecnocultura, houve uma invasão das TICs, em todas as esferas e instituições sociais, entre elas, a escola. A presença das tecnologias, na escola, vem alterando a concepção de ensino-aprendizagem dos professores e dos alunos, podendo ser encontrada em diversos registros de uso e aplicação. Seja por meio da educação a distância, da internet, de jogos eletrônicos, de CD–ROM informativo, dos diversos artefatos multimídias como: data show, retroprojetor, aparelho de som, televisão, vídeo, etc., estão tornando as TICs presentes no contexto escolar, sendo que tudo isso torna o acesso à informação mais rápido e a atividade mais dinâmica.
    Porém, para que o indivíduo possa adquirir uma posição crítica e de valor e não apenas de consumo desenfreado das TICs é fundamental compreender os códigos da linguagem audiovisual e da informática, ter capacidade para saber aprender, critério para selecionar e situar a informação e conhecimento básico para dar-lhe sentido e convertê-la em conhecimento pessoal, social e profissional. Neste caso, o papel do educador é imprescindível para propor novas metodologias e estratégias de ensino, do que o uso puro e simples de aparelhos eletrônicos.
    Conforme Betti (1998), Hatje (2000), Corrêa e Moro (2005), Pires (2002) e Zilberberg (2007) estudar as relações interdisciplinares entre a Educação Física e a mídia é fundamentar para entender a sociedade e pensar em novas formas de ensinar e aprender, novas metodologias, novas temáticas, visto que as TICs estão por toda parte e modificam nossa forma de estar no mundo. Busca-se, na área da Educação Física, desenvolver a capacidade crítica dos sujeitos, a partir de discussões sobre essa temática.
    Pensar as TICs como artefatos capazes de produzir significados sobre a vida humana, torna-se aspecto importante para sua análise e para propor uma intervenção pedagógica acerca delas seja na educação, na saúde e nos esportes campos onde podemos interferir na formação da sociedade. Portanto, observa-se que a indústria cultural constrói um discurso em torno das TICs, a fim de conquistar, cada vez mais, um número maior de consumidores para seus produtos. A sociedade deve estar preparada para a atribuição de significado sobre as tecnologias em seu dia-a-dia, evitando que seu uso se torne algo impositivo, capaz de causar um certo nível de estresse e destituído de valor para o usuário.
3. A presença “invisível” da indústria cultural acerca da Educação Física
    A indústria cultural de modo geral tem como principal atividade a produção de bens culturais que visam aumentar o consumo, moldar hábitos, educar, informar, podendo ainda, em alguns casos, ter a capacidade de atingir a sociedade como um todo. Atualmente, as TICs possuem papel relevante na formação cultural-educacional da sociedade, pois, mediatizam uma grande quantidade de informações e conteúdos ao público. Porém, muitas vezes, nota-se a influência da indústria cultural no discurso da mídia, convertendo-se em algo que podemos denominar como semi-formação cultural. Segundo Pires (2002, p. 25)
    Em tais processos de produção, distribuição e consumo da cultura industrializada, os meios técnicos de reprodução assumem papel preponderante tanto pela capacidade de fragmentar e recriar a realidade em condições que favorecem a semiformação quanto pelas interferências que produzem nas condições de percepção subjetiva desta realidade.
    Dessa forma, entende-se que a atuação da indústria tecnológica e midiática, tida como a principal mediadora do acesso e da apreensão do mundo objetivo e assim promotora dos sentidos que se consolidam na sociedade administrada, se estende a todos os campos da vida social, levando a uma forma tendencialmente homogênea de agir no trabalho e no tempo livre (ADORNO apud PIRES, 2002). A indústria cultural leva a uma fragmentação da realidade, visando à expansão do consumo dos bens culturais que ela produz.
    A Educação Física, principalmente, o esporte é, comumente, um dos principais objetos da indústria cultural. O esporte moderno se constitui numa fonte inesgotável de matéria-prima para a imprensa em geral, falada, escrita ou televisiva. Parece que a mídia compreendeu o poder do esporte em atrair pessoas do mundo inteiro ao seu redor, e o utiliza para ampliar sua audiência e conquistar novos consumidores. Além disso, o esporte molda-se a nova forma de linguagem das imagens presente nas TICs, que mistura som, cores, palavras e fotografias. Uma conseqüência desse processo é a fragmentação do fenômeno esportivo, pois, as TICs selecionam imagens esportivas e as interpretam, propõem um certo “modelo” do que é esporte e do que é ser esportista, mas, sobretudo, fornecem ao espectador a ilusão de entrar em contato direto com a realidade.
    Nesse sentido, um exemplo dessa realidade é o surgimento do esporte-espetáculo, que vem se constituindo em um dos principais produtos da cultura industrializada, transformando em mercadoria cada vez mais valorizada e consumida tecnologicamente em âmbito global. Essa valorização exacerbada da espetacularização do esporte tem se concretizado graças aos recursos tecnológicos utilizados nas transmissões esportivas, imprimindo elementos como o replay, slow-motion, e o close. A mediação do esporte, através das novas tecnologias, funciona como seu substituto e promove uma semicultura esportiva (PIRES, 2002), ou seja, conduz à redução do fenômeno esportivo.
    É importante destacar que, além de reduzir o fenômeno esportivo, as TICs consideram toda e qualquer atividade corporal como esporte, restringindo a própria Educação Física ao conceito de esporte. É fundamental que os profissionais da área discutam a presença das tecnologias, apontando algumas possibilidades de superação da concepção fabricada da indústria cultural. “Uma civilização democrática só se salvará se fizer da linguagem da imagem uma provocação à reflexão crítica, não um convite à hipnose” (ECO apud BETTI, p.45, 1998). Ao dizer isso, o autor referia-se a televisão, no entanto, podemos utilizá-la, para nos referirmos a todas as tecnologias que veiculam informações, pois, o conteúdo que elas emitem deve ser esclarecido e refletido junto à sociedade.
4. Considerações finais
    Atualmente, é praticamente impossível imaginar como seria nossa vida sem a presença das TICs, visto que as utilizamos em boa parte das atividades no trabalho, em casa, nos passeios e viagens e no tempo livre. Essas tecnologias são velozes, interativas e capazes de armazenar e veicular uma quantidade muito grande de informações. Ao misturar palavras, sons e imagens elas se tornam atrativas e rivalizam com a escola e a família na formação educacional e cultural das crianças e dos jovens.
    Sabe-se que as TICs, enquanto produtos da indústria cultural são responsáveis por gerar uma nova cultura que repercute em todas as esferas da vida humana: educação, saúde, trabalho, lazer. O apelo da indústria cultural está presente nas propagandas, nas novelas, em capas de revistas, nos discursos das celebridades, todos estimulando o consumo em massa de bens culturais. Esse discurso aparece desprovido de qualquer crítica e repercute sobre a sociedade, alterando os hábitos, crenças e valores e até a própria cultura. Nesse sentido, o professor é fundamental para conduzir “sua audiência” à reflexão sobre as TICs e os artifícios da indústria cultural.
    No contexto em que vivemos, permeado pela mídia quase tudo é uniforme e homogêneo, as formas de divertimento, a preferência por esta ou aquela prática esportiva, as informações consumidas, inclusive os equipamentos tecnológicos estão se tornando cada vez mais semelhantes, apresentando poucas diferenças entre si. A indústria cultural simula a realidade, onde, constantemente, temos a impressão de que a vida se cruza com a ficção. Na área da Educação Física, o discurso da indústria cultural tem grande repercussão, à medida que nos impõe o que é a Educação Física e o que é ser esportiva. Uma das tentativas que se almeja para a Educação Física é que ela passe a utilizar a mídia como tema transversal, buscando a partir de discussões formar receptores capazes de, criticamente, ler, compreender e atribuir significado a informação. O caminho a ser percorrido no campo científico e pedagógico ainda é longo até que as mídias consigam se harmonizar satisfatoriamente com a educação e com a Educação Física.
Nota
1.    A experiência é entendida como um processo auto-reflexivo de mediação. Algo que é incorporado pelo sujeito porque se dá na própria experiência. Já a vivência pode ser tudo aquilo que aprendemos sem uma reflexão profunda, onde não se realiza na ação, e sim pela absorção de um determinado conceito.
Referências biliográficas
·         ADORNO, Theodor, HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Tradução Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.
·         ANTUNES, Márcia do Nascimento Vieira; RAMOS, Luís Marcelo Alves. Conhecendo a Teoria Crítica. Biblioteca Professor Joel Martins, Campinas, v. 2, n. 1, p.1-35, 01 out. 2000. Disponível em: http://www.bibli.fae.unicamp. Acesso em: out. 2000.
·         BETTI, Mauro. Mídia e Educação: análise da relação dos meios de comunicação de massa com a Educação Física e os esportes. In: Seminário Brasileiro em Pedagogia do Esporte. 1998. Texto digitado. UFSM.
·         ___________________ A janela de vidro. Campinas: Papirus, 1998.
·         CORRÊA, Ivan Livindo de Senna; MORO, Roque Luiz. O livro como meio e mensagem comunicacional na Educação Física. In: Anais do XIV Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte. Grupo Temático Comunicação e Mídia. Porto Alegre, 2005.
·         HATJE, Marli. Grande Imprensa: Valores e/ou características veiculadas por jornais brasileiros para descrever a participação da seleção brasileira de futebol na Copa do Mundo de 1998. (Doutorado) em Centro de Educação Física, Universidade Federal de Santa Maria, 2000;
·         PIRES, Giovani de Lorenzi. A mediação tecnológica do esporte com substituição da experiência formativa. In: Revista Corpoconscência. Número 9, 1º semestre de 2002.

Fonte: http://www.efdeportes.com/efd120/tecnologias-de-informacao-e-comunicacao-na-educacao-fisica.htm

19 comentários:

  1. Elina Samuel Dava, Turma C1 4 ano, São Cipriano21 de Outubro de 2010 às 06:58

    Gostei do tema escolhido, é de facto, pertinente pois nos dias de hoje é impossível viver sem o uso das novas tecnologias, estas ajudam o Homem a fazer novas descobertas, contribuem significativamente nos diversos sectores de actividade, tais como,saúde segurança, transportes,etc, e não abranjem só a cidade, mas também o campo, daí a sua importância
    No trabalho, não me foi possível ver nada escrito acerca das desvantangens das novas tecnologias, ainda que isso venha escrito num subtítulo.

    ResponderEliminar
  2. Entretanto os trabalhos enviados pelos colegas de varias turma é de louvar. como sabemos para entrar não foi tão facil .
    E dizer que agradeço por ter visto o trabalho enviado pelo professor sober os ensaios.

    Importãncia das tcs para a sociedade estudantil
    Em sentido geral as tics veio para facilitar com as pesquisas dos estudantes no geral. considerando que pelo factor de falta de material didaticos as tics tornam o nosso trabalho mais simples.
    Dizer que as tics são importante na facilitação dos pesquisas estudantis.

    as tics representam um grande desafio. tanto no presente assim como para o futuro. as tics encurtam as distancias de um trabalho que levaria tanto tempo. o uso dos meios continua a ser um dos meios mais importante para asociedade estudantil assim como a educção.
    O meu comentário vai para a colega Percina que em primeiro parabenizar pelo tema que é de lovar e dizer que aprendi tanto da explicação dada por esta colega.. dizer que o trabalho esta bem claro sobre aexplicação por isso não tnho comentário. E mandar um abraço para aturma e os colegas da Aeronaútica. .

    Pscoa de sá Consolo turma c1

    ResponderEliminar
  3. Corina, Sao Cipriano, 4 Ano, Turam C121 de Outubro de 2010 às 23:41

    pois...que coisa mais...nova! quem diria aqui que existe uma relacao entre as TIC's e a Educacao Fisica???...eu noa certamente; alias, pelo que pude perceber da leitura do tema as proprias actividades fisicas (que de certa forma envolvem aspectos culturais, como a danca por exemplo) sao por si so TIC's! que informacao mais...estranha. nunca as pensei deste jeito mas faz todo o osentido. as pessoas pensam que as TIC's sao so maquinas e invencoes tangiveis ou por todos observadas e consumidas, mas as actividades fisicas tem uma outra dialetica. eu achei o tema super util. traz conteudos novos e uteis. veja colegas...a ginastica e uma TIC!

    ResponderEliminar
  4. Corina, Sao Cipriano, Turma C1, 4 Ano.21 de Outubro de 2010 às 23:51

    estive a ler o seu comentario colega Pascoa, e vi que no final parabeniza a coelga Percina, queria eu saber porque? parabeniza-a pelo tema, que tema? diz que paredneeu tanto pela explicacao dada por ela, que explicaco? sobre o que? bem...se conseguir me responder agradecia muito, porque ultimamente tenho notado uma tentaiva desesperadora de comentar a qualquer custo! coisas descontextualizadas! talvez a colega esta afazer um comentario sobre um outro comentario que nao deste tema! e mais, a colega Percina, pelo que eu vi aqui no blog, nao postou nenhum trabalho. portanto, agradecia que me explicasse a natureza dos seus comentarios.

    ResponderEliminar
  5. Corina, Sao Cipriano, Turma C1, 4 Ano21 de Outubro de 2010 às 23:57

    concordar com a colega Elina, realmente as desvantagens ficaram a quem de desejar, nao da para ver nenhuma, no entanto quanto as vantagens eu acho que estas desfilam durante todo o trabalho.

    ResponderEliminar
  6. Percina Zeco, turma C1, sao Cipriano,4o22 de Outubro de 2010 às 02:33

    bom dia gente boa!, olha que fiquei sem perceber do que é que a colega Corina e a Colega Pascoa estao debatendo a respeito do meu comentario,mas o que sei é que o meu
    ultimo comentario baseava se numa das aulas vindas da eronautica, que falava da nao inclusao das brincadeiras e as particularidades no curriculo e eu questionava isto, agora nao sei se as colegas estao dentro do mesmo assunto. cmpts

    ResponderEliminar
  7. Corina, Sao Cipriano, Turma C1, 4 Ano22 de Outubro de 2010 às 03:03

    "O meu comentário vai para a colega Percina que em primeiro parabenizar pelo tema que é de lovar e dizer que aprendi tanto da explicação dada por esta colega.. dizer que o trabalho esta bem claro sobre aexplicação por isso não tnho comentário" ESTE FOI O COMENTARIO DA COLEGA PASCOA E EU SO QUERO ENTENDER DO QUE SE TRATA.

    ResponderEliminar
  8. Percina Zeco, sao Cipriano, turma C1, 4o ano22 de Outubro de 2010 às 03:58

    colegas! estou ficando com muitas duvidas em relacao aos conteudos que deves comentar! o tema comentado pla colega Elina por exemplo, pensei que fosse mais uma parte da materia que precisamos para fazer o ensaio, sera que eu é to errada? ajudem me.

    cmpts

    ResponderEliminar
  9. A criança no contexto escolar e onde descobre o mundo social que lhe rodeia e é fundamental que o docente no níveis iniciais lhe de o carinho , pois e onde a criança passa muito tempo com pessoas de diferentes comportamentos na formação da personalidade. Osvaldo Jamisse, A2 4ª ano

    ResponderEliminar
  10. Sansao Jossias Sigauque Turma C1 Centro Sao Cipriano23 de Outubro de 2010 às 04:38

    Estamos a viver uma época de rápido desenvolvimento das tecnologias informáticas, com o acesso a redes globais de computadores, ao correio electrónico, a base de dados, a bibliotecas virtuais, a CD-ROMs, a uma enorme oferta de Sotfware.
    Esse progresso está a provocar mudanças enormes na organização da nossa vida, sobretudo no processo educativo. Se pensarmos nestas mudanças e nas implicações que podem ter no Processo de Ensino Aprendizagem (PEA), ficamos confrontados com uma série de dúvidas, mas também adquirimos algumas certezas. Uma é que o aproveitamento optimizado destas novas tecnologias implica uma mudança drástica das nossas formas de ensinar e aprender; o papel do aluno será mais relevante, sendo possível uma aprendizagem mais pessoal, mais rica e mais rápida; o papel do professor será de ajudar o aluno a seleccionar a informação relevante, pois como afirma Paulo Freira, ninguém educa ninguém, todos nos auto-educamos em confronto.

    Portanto, ensinar com as novas mídias será uma revolução, se mudarmos simultaneamente os paradigmas convencionais do ensino, que mantêm distantes professores e alunos. Caso contrário conseguiremos dar um verniz de modernidade, sem mexer no essencial. A Internet é um novo meio de comunicação, ainda incipiente, mas que pode ajudar-nos a rever, a ampliar e a modificar muitas das formas actuais de ensinar e de aprender.

    ResponderEliminar
  11. Sansao Jossias Sigauque, Turma C1 Centro Sao Cipriano23 de Outubro de 2010 às 04:40

    As novas tecnologias de informação e comunicação fornecem ao professor um grande leque de opções metodológicas, de possibilidades de organizar sua comunicação com os alunos, de introduzir um tema, de trabalhar com os alunos presencial e virtualmente e avaliá-los.
    Com as TIC’s, o professor pode modificar a forma de ensinar e aprender tanto nos cursos presenciais como nos à distância. São muitos os caminhos, que dependerão da situação concreta em que o professor se encontrar: número de alunos, tecnologias disponíveis, duração das aulas, quantidade total de aulas que o professor dá por semana, apoio institucional, entre outros.

    O professor, tendo uma visão pedagógica inovadora, aberta, que pressupõe a participação dos alunos, pode utilizar algumas ferramentas simples da Internet para melhorar a interacção presencial-virtual entre todos. O professor pode criar uma página pessoal na Internet, como espaço virtual de encontro e divulgação, um lugar de referência para cada matéria e para cada aluno. Essa página pode ampliar o alcance do trabalho do professor, de divulgação de suas ideias e propostas, de contacto com os alunos fora da universidade ou escola.

    Portanto, com as novas TIC cada docente pode encontrar sua forma mais adequada de integrar as várias tecnologias e procedimentos metodológicos, não se trata de dar receitas, porque as situações são muito diversificadas. É importante que cada docente encontre o que lhe ajuda mais a sentir-se bem, a comunicar-se bem, ensinar bem , ajudar os alunos a que aprendam melhor.

    ResponderEliminar
  12. Sansao Jossias Sigauque Turma C1 Centro Sao Cipriano23 de Outubro de 2010 às 04:42

    Caminhamos para formas de gestão de ensino menos centralizada, mais flexível e integrada, com maior participação dos alunos na auto-educação. É o momento final do processo de trabalhar em cima do que os alunos apresentaram, de complementar, questionar, relacionar o tema com os demais.

    O ensino será um mix de tecnologias com momentos presenciais, outros de ensino on-line, adaptação ao ritmo pessoal, mais interacção grupal, avaliação mais personalizada com níveis diferenciados de visão pedagógica

    Como regra geral, podemo-nos encontrar fisicamente no começo e no final de um novo tema, de um assunto importante. No início, para colocar o tema dentro de um contexto maior, para motivar os alunos, para que percebam o que vamos pesquisar e para organizar como vamos pesquisá-lo. Os alunos, iniciados ao novo tema e motivados, o pesquisam, sob a supervisão do professor e voltam a aula depois de um tempo para trazer os resultados da pesquisa, para colocá-los em comum.

    Portanto, as novas TIC’s proporcionam que os alunos aprendam mais estando cada um no seu espaço habitual, mas conectados com os demais colegas e professores, para intercâmbio constante, tornando real o conceito de educação permanente.

    Para efeito, é necessário procurar que os alunos dominem as ferramentas da WEB (Internet), que aprendam a navegar e que todos tenham seu endereço electrónico (e-mail).

    ResponderEliminar
  13. Adelaide Samuel Boene são cipriano23 de Outubro de 2010 às 05:47

    corina ate na net tas encostando as colegas na parede.bom fim de semana.mas falando a verdade á ums comentarios muito estranho, de algumas colegas.

    ResponderEliminar
  14. Galawene Jose Novela,sao cipriano,turm c1 psicologia escolar24 de Outubro de 2010 às 01:56

    Em primeiro lugar saudo os colegas e dizer que as tics nos fornecem grandes vantagens em diversos vsectores de actividade e permitem fornecer informacoes e recursosbastante interessantes,cabendo aos utilizadores a planificar mellhor as suas actividades do dia a dia e em particular o professor.o seu objectivo centra-se apresentacao e retar as novas experiencias e consideracoes sobre essa nova modalidade de publicacao.

    ResponderEliminar
  15. Manuela Conde Frank,sao cipriano,turma c1,4ano, de psicologia escolar24 de Outubro de 2010 às 02:21

    Saudo os colegas e em espcial ao Docente da cadeira das tics.no tocante ao tema em debate e de referir que e bastante aliciante e pertinente.pelo facto irei tecer alguns comentarios que julgo serem dignos de mensao:primeiro as novas tecnologias de informacao sao vantajosas pelo facto de nos permitir ou facilitar-nos em interagir com uma multiplicidade de individualidades,colher informacoes, divulgar e compartilhar com quem qusermos como tambem ajuda-nos na ampliacao dos conhecimentos e em especial para o futuro psicologo a planificar as suas aulas duma forma consciente e rapido.e uma pena que no tema nao se abordou a questao das suas desvantages.

    ResponderEliminar
  16. Corina, Sao Cipriano, Turma C1, 4 Ano24 de Outubro de 2010 às 23:35

    bom dia colegas, queria so parabenizar a nossa turma pela participacao massica no blog. e vejo que muitos conseguiram vencer as barreiras da tecnologia e ca estamos todos, finalmente juntos! forca para nos! e o ensaio a quantas vai? esta dificil terminar tudo para entregar hoje. nao sei se a dificuldade eh so minha mas que esta dificil ah esta!

    ResponderEliminar
  17. ZITA MANUEL Z. VONTADE T4A PSICOLOGIA25 de Outubro de 2010 às 05:14

    QUERO DESDE JA AGRADECER A OPORTUNUIDADE QUE NOS E DADA A POSSIBILIDADE DE APRENDER AS NOVAS TIC's, PORQUE COMO SABEMOS, NOS DIAS ACTUAIS, A VIDA DO HOMENS ESTA MUITO DEPENDETE AO USO DAS NOVAS TECNOLOGIA, POR EXEMPLO O TELEFONE, O COMPUTADOR ENTRE OUTROS MEIOS QUE FACILITA A VIDA DOS HOMENS NA SOCIEDADE. RECOMENDO AOS COLEGAS DA TURMA QUE CONUEM APOSTAR NA APRENDIZAGEM DAS NOVAS TECNOLOGIAS.

    ResponderEliminar
  18. Corina, Sao Cipriano, 4 Ano, Turma C127 de Outubro de 2010 às 23:33

    colega Adelaide...so tu mesmo....heheheheh.
    ao fim ao cabo acabste percebendo que ha um fundo de verdade no que digo...comentarios comentarios, "comentarios" a parte...e o ensaio como esta a correr?

    ResponderEliminar